Please reload

24 Jul 2017

No quintal/brejo da casa de sua família, onde as redes de espera e tarrafas estão penduradas em árvores e os barcos e jequiás encostados desde 2015, Adailton ao ler o sermão de Santo António aos Peixes de Padre António Vieira (1654) lembrou-se da parábola "Se os tubarões fossem homens", uma resposta do Senhor K à pergunta de uma menina que busca saber se os tubarões seriam mais agradáveis para os pequenos peixes se fossem pessoas. Na resposta do personagem, Bertold Brecht (1898-1956) revela a desumanidade opressora de um sistema em analogia a um mundo onde todos os aspectos contribuem para exercer um controle absoluto sobre a vida. Compartilhamos um link da leitura do texto por Antônio Abujamra:

 

18 Jul 2017

limites de areia e mar

recorrentes paisagens à beira

móveis e sinuosas

reiteram sombras em refluxo

e recomeçam

sempre

um quociente de intensidade - líquido e tão sólido

suspende e impacta o que lá estava

escorre

libidinal e efêmero sobre o continente

o que emerge da arrebentantação?

o que permanece e se cria nesse átimo perceptivo?

cada concha, cada pequeno graveto e folha

gastos pelo tempo, pelo sal e metal

encontra uma nova cartografia

aquarela terrosa cintila no horizonte líquido

limiar de nutrição e abuso

o rio conta ao mar a sua sorte

galhos resilientes amanhecem suspensos nas falésias

testemunham os contornos da costa

polida pelo movimento curvo

cortante e inflamável da memória

Todos se alimentam desse rio-mar. O extenso leito, há décadas intoxicado pela ganância e ignorância de práticas abusivas, hoje desafia e desconcerta com sua força de resistência e criação.  A vila de Regência, alheia ao lucro trimestral de 7,9 bilhões de reais1, paga o ônus do maior crime ambiental da história. Os bancos áridos...

17 Jul 2017

No início - uma viagem motivada pelo desejo de experienciar um lugar e a partir do deslocamento vivenciar o espaço e o encontro com pessoas. Como preparação - uma base de informações constituída por textos, filmes, imagens e mapas extraídos de sites, jornais e bases cartográficas. A chegada revelou horizontes imprecisos, com pontos de partida e especulações pautadas em conhecimentos previamente socializados.

Percorrendo os lugares dentro e fora dos mapas, algumas situações misturam-se a histórias e imagens vistas e imaginadas. No traçado sistemático de linhas representativas, de longitude e latitudes, registradas no mapa, o visto e encontrado não substituiu o desconhecido ou mesmo supriu as informações acumuladas. Ele revelou um tipo de abertura do visível.

Num destes momentos nos deparamos com um monte de terra entre a vila de Regência e a comunidade de Areal.

Qual sua origem? Por onde passou? Como chegou a esta configuração? Imaginamos os depósitos argilosos concebidos ao longo da forma...

10 Jul 2017

Na vila de Regência, vários tipos de redes de pesca (redes de espera, redes de calão, tarrafas...) estão suspensas nos quintais das casas dos pescadores. As redes ficam esticadas entre dois pilares, e muitas vezes, penduradas em grandes árvores. 

De onde vem esse hábito e para que serve? Aparentemente, esta é uma maneira de arrumar e armazenar as redes, esticá-las para que não percam a forma e elasticidade (pois o náilon é frágil), conservá-las fora do sol direito, da umidade ou da poeira do chão. O pescador Zé de Sabino afirmou com certo orgulho que ele foi o primeiro a iniciar essa prática de pendurar as redes em árvores. Alguns pescadores que fabricam novas redes - as costurando a mão- as põem nas árvores do solar da casa na intenção de vendê-las, com é o caso de seu Darcy e suas belas tarrafas.

Mas, além dessas explicações práticas, surgem algumas perguntas. A beleza visual dessas “instalações” é a mera consequência involuntária de uma escolha técnica ou também resulta de uma intençã...

Please reload

June 4, 2017

June 3, 2017

Please reload

Posts Recentes
Tags
Arquivo
Please reload

DIÁRIO

Saiba mais em 
PROJETO